Ambiente

Limpeza das margens da ribeira da Canhota por alunos da UMinho, da Escola da Charneca, elementos do Laboratório da Paisagem e da Brigada Verde de Caldelas

Na semana em que se assinala o Dia Internacional de Ação pelos Rios, cerca de 25 alunos de Biologia Aplicada da Universidade do Minho, 24 alunos da Escola da Charneca e elementos da Brigada Verde de Caldelas, participaram na manhã de sexta-feira, 15 de março, numa ação de limpeza das margens da ribeira da Canhota (jusante da rua de Pinhel).

Começam a dar-se os primeiros sinais da envolvência e da participação ativa na limpeza e requalificação das margens ribeirinhas das linhas de água da Freguesia de Caldelas. Implementou-se esta iniciativa com ajuda do voluntariado, no âmbito da responsabilidade ambiental, da gestão dos recursos naturais, dos resíduos e da biodiversidade relacionadas com a gestão da água. Promoveu-se a educação, a consciencialização e o envolvimento ativo na valorização do ambiente ripícola da Vila de Caldas das Taipas.

Todos os participantes mostraram empenho na recolha de resíduos e estavam muito felizes por terem contribuído nesta causa Ambiental. Nas margens da ribeira da canhota foram recolhidos muitos plásticos, recipientes de produtos alimentares, roupa, pneus e entulho de obras, que foram ali parar principalmente pela ação humana. Uma ação de limpeza só possível após o trabalho de desimpedimento das margens da ribeira por parte da Junta de Freguesia de Caldelas e da Brigada Verde de Caldelas.

Para os alunos da Escola da Charneca, esta experiência na Natureza foi significativa e quando é realizada durante a infância ficará associada a comportamentos de conservação e proteção ambiental na idade adulta. Como prémio de cuidarem da Natureza, ainda observaram um Lagarto-de-água e puderam tocar nas suas escamas.

Junta de Freguesia executa trabalhos de desimpedimento do leito da Ribeira da Canhota, num troço de 100 metros a jusante da rua de Pinhel

A Junta de Freguesia de Caldelas está a desenvolver trabalhos de desimpedimento do leito da Ribeira da Canhota. O leito da ribeira estava muito bloqueado nesta zona e a água saía do leito espalhando-se pelas margens, originando margens extensas de zona alagada. As silvas tinham proporções descontroladas e tinham tomado conta de toda esta a área ripícola. É perfeitamente normal que a mexida do leito da ribeira da Canhota origine alguma turvação da água que se irá detetar a jusante.

A intervenção está a ser desenvolvida de modo a preservar a vegetação autóctone, removendo a vegetação infestante existente no leito e margens, removendo ainda árvores caídas, resíduos e obstruções e assoreamento que impeçam o escoamento ou dificultam o acesso à ribeira, de modo que apresente um bom aspeto ecológico.

Junta de Freguesia de Caldelas executa desobstrução de troço da Ribeira da Canhota

No Dia Internacional de Ação pelos Rios, quinta-feira 14 de março, acompanha-se a execução dos trabalhos de desimpedimento do leito da Ribeira da Canhota, num troço de 100 metros a jusante da rua de Pinhel.

O leito da ribeira estava muito bloqueado nesta zona e a água saía do leito espalhando-se pelas margens, originando margens extensas de zona alagada. Antes desta ação, um voluntário da Brigada Verde de Caldelas esteve a efetuar, com uma roçadora, um desbaste nas silvas que tinham proporções descontroladas e tinham tomado conta de toda esta a área ripícola. É perfeitamente normal que a mexida do leito da ribeira da Canhota origine alguma turvação da água que se irá detetar a jusante.

A intervenção será feita de modo a preservar a vegetação autóctone, removendo a vegetação infestante existente no leito e margens, removendo ainda árvores caídas, resíduos e obstruções e assoreamento que impeçam o escoamento ou dificultam o acesso à ribeira, de modo que apresente um bom aspeto ecológico.

Brigada Verde | Reflorestar a encosta da Penha, que também é dos Taipenses

A Brigada Verde de Caldelas marcou presença, nesta manhã solarenga de sábado, na primeira ação de plantação de árvores e arbustos autóctones da encosta da Penha, contribuindo assim para o projeto de recuperação daquela área (Quinta de Barredo) que continha eucaliptos e mimosas. O grupo de Caldas das Taipas contou com 11 adultos, 3 jovens e 4 crianças e desta forma, estiveram a contribuir para que a candidatura da Montanha da Penha à rede de áreas protegidas seja uma realidade. Desta vez plantaram-se cerejeiras silvestres e inúmeros carvalhos.

A missão do Guimarães mais Floresta é a de (re)florestar as áreas do concelho contribuindo para promoção e proteção da Biodiversidade e da Floresta Autóctone, bem como promover a melhoria das áreas verdes do concelho.

Os Taipenses também têm responsabilidades de intervenção na Penha, porque esta causa também é nossa. Através de atividades no terreno vamos adquirindo os sentimentos de proteção, do cuidar e da pertença.

Cuidar dos nossos jardins | Semana da Reflorestação Nacional

A Vila de Caldas das Taipas associa-se à 9ª Edição da Semana da Reflorestação Nacional, uma iniciativa que se realiza todos anos por altura da celebração do Dia da Floresta Autóctone. Na freguesia de Caldelas, traduzir-se-á na plantação de dezenas de árvores, numa iniciativa gizada para realçar a importância das Árvores e do contacto com a Natureza na vivência quotidiana. (mais…)

Extensão de Redes de Drenagem de Águas Residuais na Freguesia de Caldelas

Na sequência da reunião realizada em julho entre a Junta de Freguesia e a Vimágua, EM onde foram definidas as prioridades, a Vimágua – Empresa de Água e Saneamento de Guimarães e Vizela, lançou esta quinta-feira, em Diário da República, o concurso público para a extensão de redes de drenagem de águas residuais nas freguesias de Caldelas e Sande S. Martinho. (mais…)

Apresentados projetos de reabilitação do antigo mercado das Taipas e Parque de Lazer da Praia Seca

A Câmara Municipal de Guimarães e a Junta de Freguesia de Caldelas apresentaram esta terça-feira, dia 23 de outubro, os projetos de reabilitação do antigo mercado das Taipas e do Parque de Lazer da Praia Seca.

Domingos Bragança assumiu, na reunião com os taipenses, que os projetos apresentados “terão o apoio financeiro da Câmara Municipal” e pretende que as referidas obras sejam lançadas em 2019, após realização do processo de licenciamento e das necessárias autorizações pelas entidades competentes. “Estas reuniões são importantes para receber contributos, na sequência de projetos que assentam em lugares com história. É nesta fase que os os contributos podem ter efeitos, sendo importante ouvir a população; depois de estabilizar os projetos de arquitetura avançam os projetos de execução, das diversas especialidades de engenharia e os licenciamentos das diversas entidades de tutela, e só depois é que poderemos lançar o concurso da obra”, salientou o Presidente da Câmara de Guimarães na sessão pública, e muito participada, que decorreu na Escola Secundária de Caldas das Taipas.

O presidente da Junta de Freguesia, Luís Soares, destacou que “a apresentação dos projetos é o culminar do trabalho desenvolvido nos últimos meses, que passou pelo levantamento topográfico das duas localizações, o estudo da sua história e utilização no passado e presente, que deram importantes contributos para o desenho das novas soluções, tendo em conta o compromisso que assumimos com os taipenses na reabilitação dos dois espaços”.

Com esta apresentação inicia-se um processo de discussão e consulta pública aos contributos da população. O projeto estará disponível para consulta durante o mês de novembro. Os interessados poderão consultá-lo na sede da Junta de Freguesia durante o horário de funcionamento e enviar contributos através do e-mail:geral@caldasdastaipas.com.

Ler Mais