Ambiente

CALDELAS É A FREGUESIA MAIS VERDE DO PAÍS

Caldas das Taipas conseguiu o 1º lugar a nível nacional no galardão de Eco-Freguesia XXI.

Na sessão de entrega do Galardão Eco-Freguesia XXI pela ABAE, que decorreu hoje no Mosteiro de Tibães, a Vila de Caldas das Taipas obteve a melhor classificação a nível nacional, com a pontuação de 87%. Este é uma recompensa das boas práticas nos domínios social, económico e ambiental desenvolvidas pelas inúmeras Instituições da Freguesia de Caldelas e que estiveram associadas ao ano de 2018.

Sermos Eco-Freguesia é uma responsabilidade! Continuaremos a respeitar os princípios de desenvolvimento sustentável e de inclusão e justiça social, a sermos economicamente prósperos e socialmente dinâmicos, numa lógica de responsabilidade partilhada e assente nas metas e objetivos específicos da Agenda 2030.

Este galardão foi atribuído aos Taipenses, às Instituições e às Associações da Freguesia de Caldelas, que estão a assumir de forma clara um objetivo pelo compromisso da sustentabilidade. Com este resultado conclui-se que estamos no bom caminho. Mas este como nunca estará concluído, é importante que cada um faça a sua parte e esteja disposto a ir na direção da responsabilidade ambiental.

À semelhança das 4 Eco-Escolas da Vila que já receberam o respetivo galardão, a Freguesia de Caldelas também conseguiu atingir este objetivo. Como sempre, os Taipenses honrarão o compromisso e, perante estas responsabilidades acrescidas, contribuirão para uma Freguesia mais sustentável e amiga do Ambiente.
Caldelas foi uma das três Freguesias convidadas para apresentar uma breve comunicação de algumas das boas práticas evidenciadas na candidatura a Eco-Freguesia XXI.

A FEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE 2019 ALIA-SE AO PROJETO CARE – COPO REUTILIZÁVEL

Neste evento, a cerveja e os refrigerantes estão a ser disponibilizados em copos reutilizáveis. Este processo é simples e funciona através do pagamento de uma caução de 1€ que é devolvida após a entrega do copo.

Esta é uma parceria entre a Brigada Verde de Caldelas e a VITRUS Ambiente. O Agrupamento de Escuteiros das Taipas e o CART estão a operacionalizar esta medida. A empresa de reparação de eletrodomésticos TR cedeu amavelmente uma máquina para a lavagem dos copos.

Percebe-se que é urgente tomar medidas para controlar a produção e consumo de plástico de apenas uma utilização. Esta medida é uma antecipação à lei na qual, a partir do segundo semestre de 2020, existirá a proibição de utilização de pratos, talheres, copos e palhinhas descartáveis.

Nesta edição das Associações em Festa também se disponibilizam no recinto contentores para a separação seletiva do plástico/metal e papel, de forma a promover hábitos mais eco conscientes e já sabe: um copo chega. Reutilize!

ALERTA | Comunicado à População 03/2019 de SMPC/GTF – Perigo de Incêndio Rural (retificação)

Comunicado à População 03/2019 de SMPC/GTF – Perigo de Incêndio Rural (retificação), determinando até às 23h59 do dia 03 de junho a restrição de Realização de queima de sobrantes e queimadas (entre outras medidas preventivas).

O Serviço Municipal de Proteção Civil informa que se mantém as medidas preventivas até à próxima segunda-feira, devido ao quadro meteorológico adverso para os próximos dias caracterizado por tempo seco e subida gradual da temperatura.

Assim, determina-se a restrição de:
– Realização de queima de sobrantes e queimadas;
– Realização de fogueiras para recreio ou lazer, ou para confeção de alimentos;
– Utilização de equipamentos de queima e de combustão destinados à iluminação ou à confeção de alimentos;
– O lançamento de balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes;
– Fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais e vias que os circundem;
– A fumigação ou desinfestação em apiários com fumigadores que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.

Caldas das Taipas conseguiu o galardão de Eco-Freguesia XXI com um resultado de 87,1 %

Este galardão, obtido pela 1ª vez, premeia as boas práticas nos domínios social, económico e ambiental desenvolvidas pelas inúmeras Instituições da Freguesia de Caldelas. O resultado obtido é certificado pela ABAE e será entregue uma bandeira verde Eco-Freguesias XXI 2019.

A Freguesia de Caldelas e os Taipenses, estão a assumir de forma clara um objetivo pelo compromisso da sustentabilidade. Com este resultado conclui-se que estamos no bom caminho, sendo importante que cada um faça a sua parte e esteja disposto a ir na direção da responsabilidade ambiental.

Sermos Eco-Freguesia é uma responsabilidade! Continuaremos a respeitar os princípios de desenvolvimento sustentável e de inclusão e justiça social, a sermos economicamente prósperos e socialmente dinâmicos, numa lógica de responsabilidade partilhada e assente nas metas e objetivos específicos da Agenda 2030.

À semelhança das 4 Eco-Escolas da Vila que já receberam o respetivo galardão, a Freguesia de Caldelas também conseguiu atingir este objetivo. Como sempre, os Taipenses honrarão o compromisso e, perante estas responsabilidades acrescidas, contribuirão para uma Freguesia mais sustentável e amiga do Ambiente.

Na sessão de entrega do Galardão Eco-Freguesia XXI, que decorrerá no dia 6 de junho (5ª-feira) na Sala do Capítulo do Mosteiro de Tibães com início às 14h, Caldelas foi uma das três Freguesias convidadas para apresentar uma breve comunicação de algumas das boas práticas evidenciadas na candidatura a Eco-Freguesia XXI.

A Junta de Freguesia e a Brigada Verde de Caldelas associaram-se às atividades do 40º aniversário do Agrupamento de Escuteiros das Taipas (666), cujo lema foi “Amar a Natureza”.

Uma das atividades propostas para as 14 patrulhas de exploradores que estiveram no acampamento foi embelezar com plantas, as caldeiras em torno do tronco das árvores na zona envolvente da sede dos Escuteiros de Caldas das Taipas (Avenida de Trajano Augusto e Rua do Assento).

Nesta parceria, em que se complementaram sinergias, o Agrupamento de Escuteiros arranjou as estacas, a corda de sisal e as placas comemorativas, a Junta de Freguesia participou através dos cantoneiros que efetuaram a preparação prévia da terra e a brigada Verde diligenciou a entrega das plantas do horto da Câmara Municipal de Guimarães e acompanhamento aquando da plantação.

Estiveram envolvidos mais de 70 de escuteiros exploradores nesta ação de cidadania ativa. Aqui, os adolescentes tiveram a oportunidade de plantar Caldas das Taipas e o Escutismo tem esta grandeza de aproximar as pessoas aos valores da Natureza.

Limpeza das margens da ribeira da Canhota por alunos da UMinho, da Escola da Charneca, elementos do Laboratório da Paisagem e da Brigada Verde de Caldelas

Na semana em que se assinala o Dia Internacional de Ação pelos Rios, cerca de 25 alunos de Biologia Aplicada da Universidade do Minho, 24 alunos da Escola da Charneca e elementos da Brigada Verde de Caldelas, participaram na manhã de sexta-feira, 15 de março, numa ação de limpeza das margens da ribeira da Canhota (jusante da rua de Pinhel).

Começam a dar-se os primeiros sinais da envolvência e da participação ativa na limpeza e requalificação das margens ribeirinhas das linhas de água da Freguesia de Caldelas. Implementou-se esta iniciativa com ajuda do voluntariado, no âmbito da responsabilidade ambiental, da gestão dos recursos naturais, dos resíduos e da biodiversidade relacionadas com a gestão da água. Promoveu-se a educação, a consciencialização e o envolvimento ativo na valorização do ambiente ripícola da Vila de Caldas das Taipas.

Todos os participantes mostraram empenho na recolha de resíduos e estavam muito felizes por terem contribuído nesta causa Ambiental. Nas margens da ribeira da canhota foram recolhidos muitos plásticos, recipientes de produtos alimentares, roupa, pneus e entulho de obras, que foram ali parar principalmente pela ação humana. Uma ação de limpeza só possível após o trabalho de desimpedimento das margens da ribeira por parte da Junta de Freguesia de Caldelas e da Brigada Verde de Caldelas.

Para os alunos da Escola da Charneca, esta experiência na Natureza foi significativa e quando é realizada durante a infância ficará associada a comportamentos de conservação e proteção ambiental na idade adulta. Como prémio de cuidarem da Natureza, ainda observaram um Lagarto-de-água e puderam tocar nas suas escamas.

Junta de Freguesia executa trabalhos de desimpedimento do leito da Ribeira da Canhota, num troço de 100 metros a jusante da rua de Pinhel

A Junta de Freguesia de Caldelas está a desenvolver trabalhos de desimpedimento do leito da Ribeira da Canhota. O leito da ribeira estava muito bloqueado nesta zona e a água saía do leito espalhando-se pelas margens, originando margens extensas de zona alagada. As silvas tinham proporções descontroladas e tinham tomado conta de toda esta a área ripícola. É perfeitamente normal que a mexida do leito da ribeira da Canhota origine alguma turvação da água que se irá detetar a jusante.

A intervenção está a ser desenvolvida de modo a preservar a vegetação autóctone, removendo a vegetação infestante existente no leito e margens, removendo ainda árvores caídas, resíduos e obstruções e assoreamento que impeçam o escoamento ou dificultam o acesso à ribeira, de modo que apresente um bom aspeto ecológico.

Junta de Freguesia de Caldelas executa desobstrução de troço da Ribeira da Canhota

No Dia Internacional de Ação pelos Rios, quinta-feira 14 de março, acompanha-se a execução dos trabalhos de desimpedimento do leito da Ribeira da Canhota, num troço de 100 metros a jusante da rua de Pinhel.

O leito da ribeira estava muito bloqueado nesta zona e a água saía do leito espalhando-se pelas margens, originando margens extensas de zona alagada. Antes desta ação, um voluntário da Brigada Verde de Caldelas esteve a efetuar, com uma roçadora, um desbaste nas silvas que tinham proporções descontroladas e tinham tomado conta de toda esta a área ripícola. É perfeitamente normal que a mexida do leito da ribeira da Canhota origine alguma turvação da água que se irá detetar a jusante.

A intervenção será feita de modo a preservar a vegetação autóctone, removendo a vegetação infestante existente no leito e margens, removendo ainda árvores caídas, resíduos e obstruções e assoreamento que impeçam o escoamento ou dificultam o acesso à ribeira, de modo que apresente um bom aspeto ecológico.